O duplo azar de Danny. Repete lesão e falha Europeu pela segunda vez

Jogador do Zenit pode ficar oito meses fora dos relvados, tal como em 2012. É a segunda baixa de peso para Fernando Santos

Danny entrou "em choque" quando soube que a lesão , sofrida no sábado, era mais grave do que esperava e que iria falhar o Euro 20016. Depois passou à fase da resignação, mas pensando no regresso: "É a vida. Não há duas sem três. Já passei por duas lesões, agora é a terceira. Mas não me passa pela cabeça desistir ou acabar a carreira."

O internacional português saiu lesionado do jogo entre o Zenit e o Spartak de Moscovo, no sábado. Percebeu logo que era grave - há imagens do jogador a chorar no banco de suplentes -, mas estava longe de imaginar o pior cenário: rotura de ligamentos cruzados e menisco do joelho direito. O que implica uma paragem de cerca de oito meses e a ausência no Europeu, ele que já vestiu a camisola nacional por 38 vezes e foi o quarto jogador mais utilizado no apuramento, depois de Rui Patrício, Ronaldo e Nani.

O luso-venezuelano já passou por uma situação idêntica em 2012, quando se lesionou gravemente - sofreu a mesma lesão de agora - e falhou o Europeu na Polónia e na Ucrânia. Agora terá de reviver esse pesadelo outra vez, numa altura em que já tem 32 anos e pode ter dito adeus à seleção. "Passou-me pela cabeça que tinha dito adeus à minha última oportunidade de jogar pela seleção numa grande competição, até pela idade que tenho e também pela nova geração que está aí de jovens jogadores muito bons", confessou Danny, entre desabafos: "A vida é assim, aconteceu, e há que pensar positivo, porque há coisas piores na vida. Tenho a cabeça pronta para estes próximos oito meses... tentar voltar o mais rápido possível."

Segundo a mulher, Danny "ficou destroçado" e sem vontade de ser ele a dar a má notícia. Por isso foi Petra Gomes a fazê-lo: "Não participará no que era para ser o último Europeu da carreira e não poderá acabar o campeonato com o seu clube! Ele está destroçado mas para a frente é o caminho e não vai baixar a cabeça."

Também o treinador André Villas-Boas abordou o infortúnio do capitão do Zenit. "Danny, desejo-te as melhoras e espero sinceramente que tenhas uma rápida recuperação. Vamos sentir falta da tua magia dentro de campo, mas mesmo fora vais continuar a ser decisivo como nosso capitão e líder. Mantém-te forte", escreveu o técnico do Zenit no Twitter.

Maldição das lesões continua

Depois de Fábio Coentrão (operado nesta semana), Danny é a segunda baixa de peso de Fernando Santos para a seleção com vista ao Europeu de França, que se joga entre 10 de junho e 10 de julho. Uma história que se repete desde que há memória das participações de Portugal nas grandes competições. A começar pelo Mundial"66, quando o malogrado Fernando Mendes, que se lesionou com gravidade num jogo com a Checoslováquia, falhou o Campeonato do Mundo.

Desde então muitas foram as lesões que atormentaram os selecionadores antes das grandes competições (ver quadro). Em 2002, Simão Sabrosa lesionou-se num particular com a Finlândia, no Estádio do Bessa, acabando por falhar o Mundial da Coreia-Japão. Uma prova que também não viu em campo Kenedy, que acusou doping (por produtos diuréticos) e foi afastado do grupo. Este foi o segundo caso de um controlo antidopagem positivo, depois de António Veloso, em 1986. A antiga glória do Benfica ainda hoje reclama inocência e garante que as análises não eram dele, mas, para a história, ficou a ausência no Mundial do México.

Em 2004, o país recebia o Europeu e viu Quaresma, então no Barcelona, lesionar-se no pé direito e ficar de fora das contas de Scolari. Dois anos depois, Felipão ficou sem Jorge Andrade para o Mundial 2006, na Alemanha, devido a uma lesão no tendão rotuliano do joelho esquerdo. Também Bruno Vale, que era a surpresa da lista, partiu um pé ao serviço dos sub-21 e falhou a prova.

O azar voltaria a bater à porta de Jorge Andrade. O central teve de ser submetido a nova operação e falhou o Europeu de 2008, tal como Quim. O guarda-redes do Benfica fraturou o pulso direito, a escassos dias do arranque da prova. Já em 2010, uma lesão grave impediu Bosingwa de ser chamado para o Mundial, antes de Nani fazer soar o alarme, com uma lesão na clavícula esquerda.

Tiago voltou ontem a jogar

O médio português Tiago, do Atlético de Madrid, está recuperado da grave lesão que sofreu no ano passado e já treina sem limitações. Ontem, já integrou o treino dos colchoneros e até participou no jogo-treino frente à equipa B do Atlético Madrid. O próximo passo é ganhar ritmo para voltar a ser opção para Diego Simeone e Fernando Santos.

Quando sofreu a lesão que o levou à mesa de operações em novembro, Tiago era um dos mais utilizados do selecionador nacional. E por isso não será de estranhar que o leve ao Europeu de França. Já quanto ao substituto de Danny... pode muito bem ser Rafa (Sp. Braga).

Mais Notícias