Jogadores do Mordovia recusam treinar por salários em atraso

A ex-equipa de Yannick Djaló, última classificada da Liga russa, não recebe há três meses

Os futebolistas do Mordovia, 16.º e último classificado do campeonato russo, recusaram-se a treinar em protesto pelos três meses de salários em atraso, informa hoje o treinador interino da equipa, Marat Mustafin.

"Foi uma decisão conjunta. Estamos a aguardar por uma reunião com a Direção a curto prazo, porque o problema tem de ser resolvido", afirmou o técnico ao jornal Sport Express.

A cinco jornadas do final do campeonato, o Mordovia está a seis pontos do primeiro clube da zona 'a salvo', o Dínamo de Moscovo, 12.º classificado. O 13.º e o 14.º disputarão um 'play-off' de permanência, enquanto o 15.º e 16.º são despromovidos.

No início do mês, o técnico Andrei Gordeyev apresentou a demissão, sem justificar publicamente esta decisão.

Um porta-voz do clube assegurou ao mesmo jornal que o jogo do próximo domingo (receção ao Rostov) não está em risco.

"Não há qualquer dúvida que vai disputar-se. A direção garantiu resolver o problema dentro de uma semana. Provavelmente, nos próximos dias", referiu o porta-voz.

O presidente da Liga russa, Sergei Pryadkin, disse à agência R-Sport ser "inadmissível" este problema no Mordovia estar a "arrastar-se há tanto tempo", garantindo que está a acompanhar a situação de perto.

Mais Notícias