28 elementos da PJ na Luz por suspeitas de corrupção

A Procuradora Geral Distrital de Lisboa confirma a realização de buscas por suspeita de corrupção passiva e ativa por parte de um suspeito

A Procuradoria Geral Distrital de Lisboa confirma a realização de buscas nas instalações do Benfica no âmbito do chamado caso dos emails. O organismo informa, através da página oficial na Internet, que foram emitidos mandados de busca domiciliária e não domiciliária, relativos a investigação em curso pelos crimes de corrupção passiva e ativa.

Na operação, segundo a mesma fonte, participam quatro magistrados do Ministério Público, dois juizes de instrução e 28 elementos da PJ, incluindo Inspetores e Peritos financeiros e contabilísticos e informáticos.

Em causa está a prática, por parte de um suspeito, dos referidos crimes de corrupção passiva e ativa, relacionados com os denominados emails do Benfica.

O inquérito encontra-se em segredo de justiça.

Fonte oficial do Benfica já tinha confirmado à Lusa a presença de uma equipa de investigação da PJ no Estádio da Luz, em Lisboa, reiterando que o clube encara estas ações com naturalidade.

Entretanto, o clube emitiu um comunicado em que confirmou a realização das buscas, as quais, considerou, pecam por tardias.

"Estas operações, que pecam por tardias, são encaradas com a maior normalidade pela Sport Lisboa e Benfica SAD", diz num comunicado em que o clube garante que "desde o primeiro momento requereu e disponibilizou-se a fornecer toda a informação necessária a um cabal esclarecimento de toda esta situação, reiterando a sua total colaboração ativa nos trabalhos que estão em curso para o apuramento da verdade".

O Benfica realça que as "operações de recolha de informação nas instalações do Estádio da Luz por elementos da equipa de investigação da Polícia Judiciária" só aconteceram "meia hora depois" de ter tomado "conhecimento dessas diligências através da Comunicação Social". E diz aguardar que "sejam investigados os autores materiais da violação do seu sistema informático, o que, apesar de reiteradamente solicitado, ainda não foi executado".

O diretor de comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques, acusou o Benfica de influenciar o setor da arbitragem e apresentou alegadas mensagens de correio eletrónico de responsáveis 'encarnados', nomeadamente de Paulo Gonçalves e Luís Filipe Vieira.

Entre outras situações, o responsável dos 'dragões' revelou também a alegada partilha de mensagens de telemóvel do atual presidente da Federação Portuguesa de Futebol, Fernando Gomes, na altura em que presidiu à Liga de clubes, entre o diretor de conteúdos da BTV, Pedro Guerra, e o ex-presidente da Assembleia-Geral da Liga Carlos Deus Pereira.

(Atualizada às 12:50 com comunicado do Benfica)

Mais Notícias

Outras Notícias GMG