Atlético tenta dar xeque-mate no domingo gordo da Liga espanhola

A equipa de João Félix pode festejar já hoje o seu 11.º título, o segundo da era Simeone. Para isso, é preciso vencer o Osasuna e esperar que o Real Madrid escorregue na visita a Bilbau.

Uma jornada de loucos num final de Liga espanhola emocionante. Assim se pode resumir aquilo que vai acontecer neste autêntico domingo gordo quando às 17.30 horas começarem os dez jogos da 37.ª e penúltima jornada do campeonato. Quatro pontos separam o terceiro e o primeiro classificado. Ou seja, ainda três equipas podem ser campeãs: Atlético de Madrid (líder com 80 pontos), Real Madrid (78) e Barcelona (76). No entanto, só a equipa de João Félix é dona do seu destino, pois basta-lhe vencer os jogos que tem pela frente para fazer a festa.

Se o Atlético ganhar hoje na receção ao Osasuna afasta de imediato o Barcelona desta luta, mas a cereja no topo do bolo será se, à mesma hora, o Real Madrid não ganhar ao Athletic, em Bilbau. Nesse caso, os colchoneros podem invadir a praça Neptuno, na capital espanhola, para festejar o 11.º título de campeão espanhol, o segundo em nove épocas do consulado de Diego Simeone. O treinador argentino está assim na iminência de entrar na restrita galeria de técnicos que venceram por duas vezes o campeonato pelo Atlético, juntando-se ao espanhol Ricardo Zamora (1940 e 1941) e ao também argentino Helenio Herrera (1950 e 1951).

Curiosamente, João Félix poderá também tornar-se no terceiro português a vencer o título pelos colchoneros, depois de Jorge Mendonça em 1966 e Tiago Mendes em 2014... Um feito do qual Paulo Futre, uma das maiores estrelas da história do Atlético de Madrid, não se pode orgulhar.

Uma enorme montanha russa

A Liga espanhola tem sido uma autêntica montanha russa. O Barcelona foi o primeiro líder isolado à 3.ª jornada e o Real Madrid teve esse estatuto na 8.ª ronda. Só que na 9.ª jornada o Atlético de Madrid assumiu a liderança e parecia ter resolvido as contas do título à medida que ia aumentando a diferença, que chegou a ser de 11 pontos para os dois rivais após 21 jornadas.

Só que a partir daí as diferenças começaram a encurtar até que na ronda 32 os colchoneros perderam em Bilbau e ficaram à mercê do Barcelona, que vencera em Villarreal e tinha um jogo em atraso, em casa, com o Granada. Deu-se então o golpe de teatro na Liga: os catalães, que tinham tudo para passar para a frente e embalar para o título, foram surpreendentemente derrotados no Camp Nou pela equipa da Andaluzia e perderam a hipótese de se isolarem no comando, com um ponto de avanço.

O Atlético de Madrid ganhou uma nova vida e a equipa de Diego Simeone tinha a oportunidade de fazer o xeque mate na Liga à 35.ª jornada na visita a Barcelona. Contudo, o clássico foi uma desilusão - futebol pobre e poucas oportunidades de golo - e redundou num empate 0-0. A verdade é que os colchoneros acabaram por ter sorte nesta ronda, pois o Real Madrid empatou 2-2 em casa com o Sevilha, resultado que lhes permitiu manter a liderança isolada com dois pontos de vantagem, uma diferença que poderá agora ser decisiva quando faltam duas jornadas para terminar o campeonato.

Real Madrid à espreita

O Atlético de Madrid é, com seis pontos em disputa, o grande favorito para ser campeão e quebrar um jejum de sete anos. Mas para os outros dois rivais a esperança é a última a morrer. Que o diga o Barcelona, que chegou a ter a Liga nas mãos e que agora precisa de uma conjugação de "milagres" para terminar no topo da Liga. A equipa de Lionel Messi, onde também joga o português Francisco Trincão, está obrigada a vencer esta tarde o Celta de Vigo e na última ronda ir ao País Basco derrotar o último classificado Eibar. Até aqui tudo bem, o pior é que a isso é preciso que o Atlético de Madrid perca cinco pontos nos dois jogos que faltam (em casa com Osasuna e fora diante do Valladollid), mas também que o Real Madrid não faça mais de três pontos.

Se o Barça precisa de um alinhamento de estrelas difícil de conjugar, os merengues dependem de apenas uma escorregadela do Atlético, uma vez que em caso de igualdade pontual entre os dois rivais, a equipa de Zinedine Zidane tem vantagem no confronto direto no dérbi madrileno. Assim sendo, o Real Madrid tem hoje de ganhar em casa do Athletic Bilbau e depois vencer na receção ao Villarreal, o finalista da Liga Europa que luta por terminar o campeonato em lugares europeus. Se conseguirem somar os seis pontos, os merengues precisam apenas de um empate do Atlético nos jogos que faltam para conquistar o segundo título consecutivo e o 35.º do seu historial.

Num campeonato que tem sido emocionante, o mais provável é que o Atlético volte a quebrar a bipolarização Barça-Real, que dividiram 15 dos últimos 16 campeonatos disputados. A exceção foi 2014... também obra dos colchoneros.

carlos.nogueira@dn.pt

Mais Notícias

Outras Notícias GMG