Andualem Shiferaw repete triunfo e novamente com recorde

A prova feminina foi ganha pela etíope Asayech Ayalew Bere.

O etíope Andualem Shiferaw venceu este domingo destacado a maratona de Lisboa, repetindo o triunfo alcançado em 2019 e voltando a bater o recorde da prova, agora com o tempo e 2:05.52 horas.

Numa prova que não se realizou em 2020 devido à pandemia covid-19, Shiferaw volta a vencer a corrida lisboeta, tendo cumprido os 42,195 quilómetros abaixo das 2:06.00 horas estabelecidas há dois anos, quando bateu igualmente o recorde.

O atleta etíope disse ter partido para a prova, que saiu de Cascais e terminou na Praça do Comércio, em Lisboa, com o objetivo de bater o seu próprio recorde, mostrando-se "muito satisfeito por ter conseguido", e admitiu que a sua prestação "foi um pouco prejudicada pelo vento".

Andualem Shiferaw, que garantiu "ter-se sentido bem" ao longo da prova, assumiu a vontade de "voltar a correr e bater mais recordes em Portugal".

Na segunda posição terminou o queniano Hosea Kiplimo, com 2:07.39 horas, enquanto o etíope Adane Amsalu foi o terceiro, com 2:07.54 horas.

Edgar Matias foi o melhor português, ao concluir na 13.ª posição, com o tempo de 2:29.15.

A prova feminina foi ganha pela etíope Asayech Ayalew Bere com o tempo de 2:25.05 horas, sucedendo à compatriota Sechale Dalasa, vencedora em 2019.

A vencedora da prova, que não se realizou em 2020 devido à pandemia covid-19, cumpriu completamente destacada a parte final dos 42,195 quilómetros da corrida.

Na segunda posição terminou a também etíope Almaz Negede Fekade, com 2:27.12 horas, enquanto a terceira classificada foi a ugandesa Toroitich Linet Chebet, com 2:28.33 horas.

Etíopes vencem 'meia' de Lisboa, Samuel Barata e Solange Jesus os melhores lusos

Os etíopes Gerba Beyat Dibaba e Ethelmahu Sintayehu Desci venceram este domingo a meia-maratona de Lisboa, em masculinos e femininos, respetivamente, provas nas quais Samuel Barata e Solange Jesus foram os melhores portugueses.

Na prova masculina, Dibaba cronometrou 1:01.21 horas, impondo-se ao queniano Isaac Kipsan Temoi (1:01.23) e ao eritreu Awet Habte Gherezghiabehr (1:02.11), que concluíram a prova, que terminou na praça do Comércio, nas segunda e terceira posições, respetivamente.

Samuel Barata foi o melhor português, ao terminar na sexta posição, com 1:02.49, seguido de Miguel Borges, que foi oitavo (1.04.55) e de Fábio Oliveira, nono (1:05.22).

No setor feminino, a etíope Ethelmahu Sintayehu Dessi venceu em 01:10.48 horas, tendo a sua compatriota Gete Alemayehu Teklemichael, que correu em 1:13.33, sido terceira, atrás de Dolshi Tesfu Teklegergish, da Eritreia, que foi segunda, com a marca de 1:13.33.

Solange Jesus foi a melhor atleta portuguesa na prova, terminando na quarta posição, com a marca de 1:15.25, imediatamente à frente de Sara Duarte, que foi quinta, com 1:20.24

Ambos os vencedores da prova, que partiu da Ponte Vasco da Gama, revelaram-se muito satisfeitos com os resultados e por poderem correr em Lisboa, neste regresso das competições, interrompidas devido à pandemia de covid-19.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG