32 negas, 17 eleitos e um reforço de última hora

Rui Jorge triste apesar de compreender recusas dos clubes em libertar jogadores para a seleção. Foi "surreal" fazer a lista de 18 para representar Portugal nos Jogos Olímpicos...

Portugal vai aos Jogos Olímpicos com a seleção "possível". E não há que o esconder. Rui Jorge revelou ontem a lista, ainda meio atordoado com um telefonema (entre muitos) recebido minutos antes de um clube a informar que um dos 18 eleitos afinal não podia ir. E de repente ficaram apenas 17! "Tem sido surreal fazer esta convocatória, tem sido extremamente difícil, há uma série de fatores a ultrapassar. Há cerca de 40 minutos recebemos um telefonema que nos retirou mais um dos 18 jogadores que já tinha sido confirmado", revelou o selecionador dos sub-23, que vão ao Rio 2016.

O 18.º da lista acabou por ser conhecido só ontem à noite, horas antes do fim do prazo. Trata-se de Paulo Henrique e joga no Paços de Ferreira (ver perfis ao lado).

A luta de Rui Jorge para chegar aos 18 finalistas foi árdua e inglória. "Quando escolhemos 35 pré-convocados, escolhemos dentro daquilo que seria o ideal. Atendendo às negas que levámos, por parte de alguns clubes, apenas conseguimos 11 jogadores (24 negas!). Logo aí ficámos limitados. Fomos à procura de soluções e escolhemos outros oito jogadores que foram negados. Não seria inteligente nem verdadeiro dizer que é a convocatória ideal", explicou o selecionador, lembrando que o problema é transversal a grande parte das seleções presentes nos Jogos.

O torneio Olímpico não é uma data FIFA e os clubes não são obrigados a dispensar jogadores. E este ano já tiveram atletas no Euro 2016 e na Copa América. Além disso, o torneio de futebol do Rio2016 joga-se de 3 e 20 de agosto, data em que estão previstas as duas primeiras jornadas da Liga, a Supertaça Cândido Oliveira e a primeira mão do play-off da Liga dos Campeões (com o FC Porto).

As seleções adversárias de Portugal debatem-se com problemas semelhantes: "A Argentina fez uma lista de 35, tem 22 jogadores, a Argélia tem 16 de 35 e as Honduras estão em estágio com 29 e pelo que sabemos está grande parte, senão todos, os que conseguiram a qualificação. Vai ser difícil para todas as seleções, mas só a Colômbia tem um problema semelhante ao nosso e teve de recorrer à FIFA para ter jogadores extra 35. Nós nem em estágio estamos ainda."E há um problema acrescido. O selecionador não faz "a mínima ideia" como os jogadores se apresentarão na concentração, pois até ontem nem sabia sequer quem podia convocar...

Apesar de tudo, Rui Jorge compreende a posição dos clubes. "Ponho-me na pele dos treinadores, percebo perfeitamente o lado dos clubes, as justificações são variadas, posso concordar com uns, discordar de outros, mas percebo perfeitamente a posição deles. Falei com todos, extrema simpatia, um até me pagou um almoço. Eles querem o melhor para as suas equipas. Respeitamos, quando está do nosso lado também podemos mostrar intransigência em algumas situações", justificou.

Mas, como em tudo na vida, há exceções. "O Belenenses por exemplo, através do seu presidente, disse-me para trazer os jogadores que quisesse. Isso eu gosto. Outros cederam vários atletas", lembrou o técnico, antes de ser confrontado com a ausência de jogadores do Benfica na lista: "O clube entendeu que não podia ceder, e eu entendo. Têm a Supertaça, o plantel não está fechado. Eu, eventualmente, faria a mesma coisa..."

Na ótica do selecionador, "cada um tem a sua dama a defender, mas isso não invalida que Wilson Eduardo, Lucas João, André Almeida, Bruma, Rúben Ferreira e outros não pudessem fazer parte da lista.

Certo é que, apesar das dificuldades, para Rui Jorge "é um orgulho muito grande estar nuns Jogos Olímpicos". E ele acredita que para os jogadores seria também: "Sei porque falei com eles. Eles procuraram, esforçaram-se para isso, mas o que desejo é que quem chegue agora sinta também esse orgulho, um legado que lhes deixaram, olímpico."

Um A e seis campeões excluídos

André Martins acabou por ser a maior novidade da lista (ver ao lado). Primeiro porque não jogou regularmente na última época, depois porque está sem clube. "É sempre um orgulho representar Portugal seja em que escalão ou competição for. Estou muito satisfeito por ter esta oportunidade. Os Jogos Olímpicos são sempre uma prova de relevo e, apesar de todas as condicionantes, acredito que o grupo de tudo vai fazer para honrar as cores nacionais", disse o único internacional A da lista olímpica e um dos três com mais de 23 anos (os outros são Sérgio Oliveira e Salvador Agra).

Excluídos dos 35 pré-convocados ficaram desde logo os seis campeões da Europa que estavam pré-convocados por Rui Jorge (Raphaël Guerreiro, André Gomes, William Carvalho, Renato Sanches, João Mário e Rafa). Mas também jogadores como João Cancelo, Rúben Semedo, Nélson Semedo, Bernardo Silva, Diogo Jota e André Silva...

Portugal iniciará a sua preparação na Cidade do Futebol, no dia 18 de julho (segunda-feira), viajando para o Brasil a 23 (sábado). De 23 a 29 (sexta-feira) a seleção irá trabalhará em Mangaratiba, no Rio de Janeiro. E a partir de 29 de julho a comitiva portuguesa ficará instalada na Aldeia Olímpica.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG