Vera Lynn morre aos 103 anos. A voz que deu esperança na Segunda Guerra e na pandemia

Cantou para os soldados britânicos em várias partes do mundo durante a Segunda Guerra Mundial. O tema "We'll Meet Again" ficou famoso com a sua interpretação e foi recuperado durante pandemia de covid-19.

Morreu a cantora britânica Vera Lynn, informou esta quinta-feira a família da artista. Ficou conhecida como a "namorada" do Reino Unido por emprestar o seu talento ao cantar para os soldados britânicos durante a Segunda Guerra Mundial. Tinha 103 anos

Em comunicado, a família manifestou-se "profundamente triste ao anunciar o falecimento de uma das artistas mais amadas do Reino Unido". A cantora morava em East Sussex, sudeste da Inglaterra e morreu cercada pelos amigos mais próximos e pela família.

Lynn ficou famosa por manter o ânimo das tropas britânicas durante a Segunda Guerra Mundial, tendo feito milhares de quilómetros ao viajar até ao Egito, Índia, ou Myanmar para cantar aos soldados. "We'll Meet Again" e "The White Cliffs of Dover" eram alguns dos clássicos que interpretou nos espetáculos para as tropas do Reino Unido.

Começou a carreira muito cedo, aos sete anos, e, além da música, participou em filmes. A sua voz tornou-se um hino de esperança com a interpretação de "We'll Meet Again", uma canção que foi recentemente recuperada durante o confinamento no Reino Unido devido ao covid-19.

Em março, pouco antes de completar 103 anos e em plena pandemia, Lynn incentivou a população a recuperar "o mesmo espírito que tivemos durante a guerra".

Boris Johnson recorda a "voz mágica" que ajudou os britânicos nas horas mais sombrias

A rainha Isabel II referiu-se ao título da famosa canção durante um discurso em abril para dar esperança aos britânicos que estavam em confinamento.

"Dias melhores virão, reencontraremos os nossos amigos, reencontraremos as nossas famílias, nós vamo-nos encontrar de novo", disse a monarca.

Os britânicos foram convidados a cantar "We'll Meet Again" em maio para recordar o 75º aniversário da rendição da Alemanha nazi.

O primeiro-ministro, Boris Johnson, recorreu às redes sociais para lembrar Vera Lynn, que recebeu o título de Dama do império britânico, em 1976. Destacou a sua "voz mágica" que ajudou os britânicos nas "horas mais sombrias".

" A sua voz viverá para elevar os corações das próximas gerações", escreveu no Twitter.

A Royal British Legion, uma instituição de caridade que presta apoio financeiro, social e emocional aos veteranos de guerra, refere-se a Vera Lynn como "um ícone britânico inesquecível" e "símbolo de esperança para a comunidade das Forças Armadas no passado e no presente".

Mais Notícias