Nadador, modelo, ator e pai de família: as vidas de Pedro Lima

O corpo foi encontrado esta manhã na praia do Abano, em Cascais, depois do alerta de pessoas próximas que encontraram uma carta que ele tinha deixado.

Conhecido do público pelos papéis que desempenhou no pequeno e no grande ecrã mas também como modelo, o ator Pedro Lima teve uma carreira bastante diferente até chegar à televisão. Enquanto nadador profissional, participou em dois Jogos Olímpicos por Angola (nasceu em Luanda). Este sábado, o seu corpo foi encontrado na praia do Abano, em Cascais.

Pedro Lima tinha 49 anos e cinco filhos, quatro dos quais fruto da sua relação de quase 20 anos com Anna Westerlund, O mais velho era fruto do casamento com Patrícia Piloto.

O ator nasceu em Luanda a 20 de abril de 1971 e, aos 17 anos, representou Angola na natação, nos estilos livre e mariposa, nos Jogos Olímpicos de 1988, em Seul (Coreia do Sul). Quatro anos depois, repetiu a experiência, em Barcelona (Espanha).

No Facebook, a Federação Portuguesa de Natação apresentou as suas condolências à família.

Pedro Lima era também apaixonado pelo surf, que praticava desde os 12 anos. Na sua última publicação no Instagram, surgia precisamente de prancha de surf na mão, indicando o regresso da modalidade este fim de semana na praia do Cabedelo. "A pouco e pouco o mundo vai acordando, a nossa vida vai voltando. Voltámos à vida juntos", escreveu. "O mundo precisa de nós todos agora. Com força, com amor, com paciência e sentindo que há sempre alguém para nos apoiar nos desafios", indicou.

Pedro Lima trocou a natação pela moda, tendo estado ligado à Central Models, e desfilado para os principais 'designers' portugueses, como José António Tenente, ou internacionais, como Emporio Armani. Estudou também Engenharia Mecânica no Técnico.

A televisão e o salto para o sucesso

À margem da carreira na moda, Pedro Lima estreou-se na televisão com a apresentação do Magacine, um magazine sobre cinema em 1996, na RTP2, passando depois para a ficção.

Tudo partiu de um desafio lançado pelo também ex-modelo e ator Ricardo Carriço e de uma breve figuração no Herman Enciclopédia, de Herman José, em 1997. Depressa surgiria em "Não Há Duas sem Três", comédia com Rita Ribeiro e José Raposo, e na telenovela "A Grande Aposta", da RTP. Esteve também em várias produções da SIC, estrando-se como protagonista na novela O Último Beijo, na TVI, em 2002.

Desde então estava ligado à TVI, onde atualmente trabalhava na telenovela Amar Demais, cujas gravações tinham sido retomadas recentemente. Estava ainda no pequeno ecrã no regresso da novela Espírito Indomável, adaptado a série 10 anos após o sucesso inicial. Isso mesmo lembro Nuno Santos, diretor de programas da TVI.

"O Pedro Lima partiu. Uma partida inesperada e brutal. É um dia chocante que abre uma tormenta de emoções e deixa um pesar enorme entre todos. Todos, sem exceção", escreveu no seu Facebook, indicando que ele era "um dos mais versáteis atores da sua geração" e estava "sempre disponível, sempre afável, sempre pronto para trabalhar".

Na mesma rede social, a Academia Portuguesa de Cinema (de que Pedro Lima era membro) lembrou o percurso do ator no grande ecrã. "Com um enorme trajeto em televisão, começou no cinema no ano 2000 com Trânsito Local de Fernando Rocha, a que se seguiram, The Botanist (2006) de Francis Manceau, O Contrato (2009) de Nicolau Breyner, Second Life (2009) de Alexandre Valente, Perpétua (2009) de Marcos Cosmos, Quarta Divisão (2013) de Joaquim Leitão, Eclipse em Portugal (2014) de Alexandre Valente, A Uma Hora Incerta (2019) de Carlos Saboga e O Homem Cordial (2019) de Iberé Carvalho".

A Academia fala "num ano que continua a ser trágico para o cinema português", considerando "difíceis as palavras para mais esta partida" e enviando condolências à família.

Pedro Lima teve também várias participações no teatro. Trabalhou em companhias independentes como os Artistas Unidos, a Companhia de Teatro de Almada e o Teatro Aberto, mas também em produções de Filipe La Féria e do Teatro Villaret, dando vida a personagens de dramaturgos como Samuel Beckett, David Mamet, Tom Stoppard, August Strindberg e Anton Tchekhov.

O Teatro Nacional D. Maria II diz que o teatro "fica mais pobre com o desaparecimento de Pedro Lima".

Marcelo: "Toda a gente gostava de Pedro Lima"

"Nascido em Luanda, foi nadador olímpico por Angola, trabalhou como modelo e tornou-se uma das presenças mais constantes do panorama televisivo português, embora também tenha feito teatro e cinema, deixando sempre uma imagem de ator disponível e de colega generoso", lê-se numa nota no site da presidência, com Marcelo Rebelo de Sousa a enviar condolências à família.

"Quando nos deixa alguém de quem todos gostávamos, e quando nos deixa precocemente, o choque é ainda maior. Toda a gente gostava de Pedro Lima, desde logo pela sua simpatia natural, e pelo seu gosto pela vida, que se transmitia às personagens que interpretou e ao modo como as interpretou", lê-se ainda na mensagem do Presidente Marcelo.

A ministra da Cultura, Graça Fonseca, lamentou também a morte de Pedro Lima, considerando que a ficção em televisão "perde demasiado cedo um emblemático protagonista" e um ator que "milhões de portugueses conheciam e admiravam".

Amigos reagem à morte

Vários amigos já reagiram às notícias nas redes sociais. Foi o caso de Catarina Furtado, que conheceu Pedro Lima antes de ele se estrear na RTP. "Lembro-me que me disseste que terias tanto para aprender porque vinhas do desporto mas que estavas disposto a isso. Estiveste sempre disposto a aprender, sem deslumbramentos, atento ao teu redor, sem sinais de competição, tão característicos neste nosso meio. Fizemos juntos uma campanha. Eras o galã, o óptimo colega, o pai incrível", escreveu a apresentadora.

Nuno Markl, que trabalhou com Pedro Lima, reagiu também no Instagram.

Na mesma rede social, a atriz Catarina Lopes Rebelo (que desempenha o papel de filha da personagem de Pedro Lima na novela Amar Demais), revelou o seu choque com a notícia da sua morte. "O meu companheiro, o meu pai da ficção, a pessoa com o coração mais puro e bonito. Ainda ontem estive contigo na sala de atores, ainda ontem combinamos jantar. Não me conformo de todo", escreveu.

Na mesma rede social, a atriz Fernanda Serrano também reagiu à notícia. "Tu eras o Amigo que me dava a mão", escreveu.

Cristina Ferreira, a apresentadora que durante anos trabalho na TVI antes de se mudar para a SIC, disse estar chocada. "Não pode, não pode, não pode ser. Meu querido Pedro. Sempre com este sorriso, um abraço sincero, só a querer ser feliz.", escreveu.

Também Fátima Lopes lembrou Pedro Lima.

Mais Notícias