Racista e esclavagista? Especialistas contestam acusações a Pessoa

Escritos de uma das várias personagens (heterónimos) de Fernando Pessoa servem de argumento para criticar o poeta e considerar que não pode ser o nome do Erasmus da CPLP. Especialistas criticam uma falsa politização.

A acusação de que Fernando Pessoa era racista e apoiava a escravatura é negada por vários especialistas na obra do poeta, numa reação à notícia publicada pelo jornal Expresso das Ilhas, de Cabo Verde, em que se questionava o facto de se atribuir o seu nome a um programa de intercâmbio académico dentro dos países da CPLP.

É o caso de Teresa Rita Lopes, uma das principais investigadoras da obra do poeta que explica o equívoco de se atribuírem essas afirmações falsas ao poeta por se encontrarem de forma errada e sem uma contextualização correta no volume Fernando Pessoa - Uma quase-autobiografia, de José Paulo Cavalcanti Filho, que o autor brasileiro "encomendou, porque precisava de ter um livro na sua biografia para se candidatar a uma cadeira na Academia Brasileira de Letras". Explica como foi: "Contratou uma equipa que lhe escreveu o livro - ele nunca o escondeu - e do que resultou um disparate total e cheio de inverdades".

Segundo Teresa Rita Lopes o equívoco acontece porque "as pessoas esquecem que quando atribuem frases ao poeta estão a tirá-las de uma das suas personagens, porque toda a obra do Pessoa é uma obra de teatro. Pessoa desdobrou-se em personagens que, naturalmente, se contrariam umas às outras." Explica: " Se nos apoiarmos numa, por exemplo, ela é contra todos os patriotismos e nacionalismos e isso não é verdade como se sabe, pois demonstrou durante toda a sua vida amor pela dita pátria. O que acontece é que Pessoa inventou um personagem chamado António Mora, que também era pagão como Ricardo Reis, e para alguém assim a escravatura era algo natural. Mas, o Mora é uma das pessoas a quem Pessoa chamou o drama em gente."

Também o especialista Jerónimo Pizarro é claro e em poucas palavras recusa a mesma acusação de Fernando Pessoa ser racista ou apoiar a escravatura. Para Pizarro a acusação "está fora de contexto" e afirma mesmo que está "politizada".

O filósofo e especialista no poeta José Gil considera que é uma inverdade e adianta: "Apesar de não conhecer os textos referidos, conheço muitos outros textos de Pessoa e não vejo nenhum reflexo nem de racismo nem de defensor da escravatura na obra. Não há esse traço!" Para José Gil, diz, "o que posso imaginar é que possivelmente - e não passa de uma especulação se é verdade que os escreveu - trata-se provavelmente de uma ilação dentro de um contexto teórico como os que fazia sobre as civilizações e a evolução da humanidade e não correspondia a nenhuma crença."

Para Richard Zenith, um dos grandes conhecedores da obra do poeta, a questão tem contornos diferentes e que devem ser tomados em conta. Afirma que pode dizer-se que "Fernando Pessoa era imperialista e defensor de classes e da escravatura na sua república platónica ideal", mas nega que o poeta "tenha aderido às ideias racistas de Ernst Haeckel e outros, que acreditavam na inferioridade genética de certas raças, nomeadamente a raça negra."

Explica, no entanto, que Pessoa "escreveu aquelas coisas citadas, o que, a meu ver, desqualifica o seu nome para ser associado a iniciativas da CPLP. O seu pensamento evoluiu, felizmente, e em 1935 não teriam subscrito àquelas afirmações de circa 1918, mas também não chegou a renunciá-las. Aliás, pode nem se ter recordado de as ter escrito. escreveu-as, porém, e compreendo e concordo com a revolta das pessoas cuja dignidade feriu."

Mais Notícias