Exclusivo "O corpo não revela quantas violações aconteceram naquele inferno"

O escritor italiano Davide Enia não ultrapassou o choque com o que viu na ilha de Lampedusa e sentiu-se obrigado a passar a trágica experiência para o papel. Um romance em que as ideologias são afogadas pelas águas do Mediterrâneo, tal como os imigrantes que morrem aos milhares na busca por uma outra vida. Outras novidades: Strindberg de Cristina Carvalho, os contos Anos de Chumbo de Chico Buarque e Livro de Receitas de Alberto Manguel.

A primeira página de Notas Sobre Um Naufrágio é tão impressiva como chocante, em que se relata como os robalos voltaram a aparecer aquando dos naufrágios dos imigrantes junto à ilha de Lampedusa - devido ao novo alimento que lhes é oferecido -, o que obriga o leitor a ler esta obra. Davide Enia concorda com a violência deste início e confessa que foram mesmo as primeiras linhas que escreveu para o romance e que colocar esta situação logo no início do livro era fundamental e a que não podia escapar: "Queria que o leitor soubesse de imediato sobre que história iria ter em mãos". Na segunda página faz outra confissão, agora pela boca de um dos personagens: "Não sou de esquerda, aliás, diria que sou precisamente contrário". Quem está a falar é o mergulhador que recupera os corpos afundados: "Tive um encontro muito intenso com ele e acabámos por ficar amigos."

Mais Notícias

Outras Notícias GMG