Cantar de roupão com Rufus e ver os frescos de Miguel Ângelo

O músico Rufus Wainright dá-nos uma música por dia, há filmes portugueses online na Terratreme e é possível fazer uma visita virtual à Capela Sistina: tudo sem sair de casa.

Um música por dia com Rufus Wainright

Rufus Wainright está a cumprir a quarentena na sua casa, em Los Angeles, mas decidiu partilhar algumas das suas músicas connosco, para nos dar "algum conforto" nestes dias difíceis em que, explicou logo no primeiro dia, "é ainda mais essencial lembrar o que realmente significa ser humano: compaixão, carinho, criatividade". Nos vídeos que partilha no Facebook e no Instagram, o músico aparece de roupão, em frente ao piano, conversa um pouco connosco e oferece-nos uma canção naquilo a que ele ele chamou a série "Musical Everydays". Tem sido assim ao longo dos últimos dias e tem sido sempre bom.

Sozinhos na Capela Sistina

Ok, não será bem a mesma coisa do que estar de facto lá. Mas, provavelmente, será a única oportunidade que teremos para ver todas as fantásticas pinturas de Miguel Ângelo no teto da Capela Sistina, no Vaticano, sem sermos incomodados por dezenas de outros turistas de máquina fotográfica em punho. E não é preciso pagar bilhete nem tapar os ombros para entrar. O Museu do Vaticano, em Roma, Itália, tem no site a possibilidade de fazermos visitas virtuais não só à Capela Sistina como a mais cinco espaços: o Museu Pio Clemente, o Museu Chiaramonti, as Salas de Rafael, a Capela Nicolina e a Ala Nova. É só mover o cursor para podermos caminhar pelos corredores, olhar para cima e para os lados e até fazer zoom para ver todos os pormenores.

Filmes para nos conhecermos melhor

Em tempos de quarentena a Terratreme, produtora portuguesa de cinema, está a partilhar no seu site alguns dos seus filmes, gratuitamente. Há três filmes novos à terça e outros três à sexta e depois os filmes ficarão disponíveis durante uma semana. O primeiro ciclo de filmes (disponível até sexta-feira) é sobre o trabalho e, para já, estão disponíveis os seguintes títulos: Revolução Industrial, de Tiago Hespanha e Frederico Lobo (um documentário sobre a zona industrial do Vale do Ave), Vida Ativa, de Susana Nobre (sobre o programa Novas Oportunidades e a crise económica) e Provas, Exorcismos, também de Susana Nobre (sobre o desemprego). O segundo ciclo (disponível até 31 de março) é dedicado ao território e inclui três filmes: Lacrau, de João Vladimiro (um filme ensaio sobre as diferenças entre a vida rural e a vida urbana), Um Campo de Aviação, de Joana Pimenta, e A Casa Que Eu Quero, de Raquel Marques e Joana Frazão.

Veja aqui mais sugestões culturais para a quarentena

Mais Notícias