Assaltante em fuga deixa para trás duas obras de Rembrandt

Duas pinturas de Rembrandt escaparam de uma tentativa de furto num museu de Londres, na noite de quarta-feira, tendo o autor conseguido escapar.

O alarme da Dulwich Picture Gallery, na capital inglesa, soou às 23.30 de quarta-feira. A polícia, que chegou ao local minutos depois, perseguiu um intruso que tinha conseguido forçar a entrada para a galeria e apreender ambas as pinturas que faziam parte da exposição Rembrandt's Light.

O assaltante conseguiu escapar depois de ter pulverizado o polícia na cara com uma substância indeterminada. O agente não ficou ferido e pôde continuar ao serviço.

As pinturas do mestre holandês do século XVII foram rapidamente encontradas nos terrenos do museu. Segundo o inspetor da polícia londrina Jason Barber, essa tentativa "ousada" foi "claramente preparada com antecedência". O plano foi frustrado graças à "reação rápida das equipas de segurança da galeria e à coragem e rápida intervenção" da polícia, disse em comunicado.

Aberta em 1817, a Dulwich Gallery é a mais antiga galeria de arte de Londres e foi incluída no Guinness Book of Records porque uma de suas pinturas, um pequeno retrato de Jacob de Gheyn, de Rembrandt, foi roubado quatro vezes, a última vez na década de 1980. Esta pintura não é uma das duas que foram furtadas na quarta-feira à noite, anunciou a galeria. No entanto, não especificou quais foram as obras alvo do apetite do assaltante devido à investigação em curso.

A exposição Rembrandt's Light inclui 35 obras do pintor holandês e está patente até 20 de fevereiro de 2020.

Mais Notícias