Exclusivo À procura da nossa segunda Lua, uma viagem com perto de dois séculos

A descoberta de uma segunda Lua a orbitar a Terra ocupou o trabalho de astrónomos nos séculos XIX e XX e de alguns anúncios de achados sem fundamento. À nossa solitária Lua, a escritora Eleanor Cameron, juntou em meados do século XX um astro ficcionado. Também se enredou numa polémica terrena, a dos malefícios da globalização.

Escritora de livros para a infância, a canadiana Eleanor Cameron arremessou em 1972 duras palavras a dois contemporâneos, o filósofo e teórico da comunicação Marshall McLuhan, autor da expressão "aldeia global", e ao escritor Roald Dahl que assinou entre dezenas de outros títulos, o livro Charlie e a Fábrica de Chocolate, publicado em 1964. A revista norte-americana The Horn Book Magazine, fundada em Boston em 1924, serviu de veículo para a escrita crítica que Eleanor endereçou aos dois homens no artigo "McLuhan, youth, and literature". Na década de 1960, o intelectual canadiano, anteviu um mundo interligado pela tecnologia, semelhante a uma comunidade global. A par, anunciava a morte da palavra escrita, com o prognóstico de uma nova era, a da televisão, e o fim do símbolo impresso.

Eleanor Cameron via no livro do galês Roald Dahl a expressão desse novo tempo, com os personagens que orbitam o protagonismo de Willy Wonka, dono da fábrica de chocolate, encarcerados para a eternidade em lugares-comuns. A escritora encontrou nestes estereótipos a expressão dos programas de televisão, antagonistas da "riqueza" de obras para a infância do passado, como Robinson Crusoé, As Viagens de Gulliver e Pinóquio, entre outras. "Será que qualquer um dos livros escritos nos últimos 30 anos estará vivo e será amado daqui a cem anos? É uma questão profundamente perturbadora para quem escreve com seriedade e não totalmente por dinheiro", sublinhou a escritora no já referido artigo. Eleanor assumiu outros territórios de crítica a Dahl, vendo nos Oompa-Loompas, os pequenos ajudantes de Willy Wonka, escravos pigmeus provenientes de África.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG