Autores

"Não há razão nenhuma para os pais terem receio de vacinar os filhos"

Uma criança de seis anos com covid-19, e com a primeira dose da vacina, morreu no Hospital Santa Maria, depois de um quadro de paragem cardiorrespiratória. O receio e as dúvidas sobre a vacinação voltaram ao foco das notícias e às preocupações dos pais. Uma semana depois, Maria do Céu Machado, pediatra, ex-diretora de dois hospitais e de dois departamentos pediátricos e ex-presidente do Infarmed, diz que a causa provável de morte não deve ter a ver com a vacina e aconselha os pais a vacinarem os filhos.

Obrigar a isolamento após o romper nas eleições será ainda mais difícil

Quem está infetado ou em isolamento vai poder sair no dia 30 para ir votar. A decisão é do governo. Médicos de Saúde Pública dizem que há muitos exemplos desde do início da pandemia de quem não quer cumprir o isolamento e que a partir daqui ainda pode ser pior. O Presidente da ASMSP diz que "o problema não é o eleitoral em si, mas o que advém desse ato". Porque, hoje, um dos problemas ainda é muitos infetados darem todos os contactos de risco para serem rastreados e a doença não se propagar.

João Paulo Gomes: "Estamos cada vez mais imunes ao vírus"

É microbiologista e coordenador do estudo sobre a diversidade genética do SARS-CoV-2 no Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge. João Paulo Gomes é dos peritos que desde o início da pandemia marca presença nas reuniões do Infarmed com os políticos para explicar a circulação do vírus no nosso país. Quase dois anos depois, diz nesta entrevista ao DN que temos razões para estar otimistas e que o grande desafio para o futuro será ter a coragem de olhar para a doença e mudar as regras. Ao fim de dois anos de pandemia, Portugal soma 1 906 891 de infetados e 19 334 óbitos.

Rastreios nas escolas disparam. Saúde pública não tem mãos a medir

Ao segundo dia de aulas, os casos positivos começaram a surgir nas escolas. Em três dias, só uma unidade de saúde do Norte teve 22 turmas e uma creche inteira para rastrear à covid-19. O presidente da Associação Portuguesa dos Médicos de Saúde Pública diz ao DN que a situação é transversal a todo o país. "O trabalho das equipas não parou. Está cada vez mais difícil". Para o diretor dos Agrupamentos Escolares, Filinto Lima, "o início deste período letivo é positivo", defendendo que o esforço de todos deve ser no sentido de o ensino ser, o mais possível, presencial.

"Portugal num cenário melhor do que o mais otimista da semana passada"

O professor da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, Carlos Antunes, diz que Portugal está prestes a atingir o pico desta onda epidémica e que o cenário até é melhor do que o mais otimista traçado na semana passada. O número elevado de casos com um impacto relativo no SNS "é o novo normal" da era Ómicron, mas "não podemos descansar até se chegar aos seis ou cinco mil casos ". Valor a partir do qual a linha da frente da Saúde, saúde pública e medicina familiar, deixará de ficar sobrecarregada.

Medidas fazem sentido, mas "é preciso vacinar crianças com 2.ª dose rapidamente"

O diretor de serviço de pneumologia do Hospital Universitário de Coimbra, Carlos Robalo Cordeiro, que integra o Gabinete de Crise para a Covid-19 da Ordem dos Médicos, diz que o Governo ganha tempo com estas medidas para reforçar a vacinação dos adultos e ganhar tempo para a proteção contra a nova variante. Contudo, sustenta, faltam duas coisas que não se ouve falar: o reforço dos meios do SNS para dar resposta aos utentes e reduzir o intervalo da segunda dose para as crianças. Só assim a comunidade funcionará com maior segurança.

Gratuitidade de autotestes é "um investimento" e não "um custo para o Estado"

Portugal está com mais casos, mas menos doença grave. A pneumologista Raquel Duarte, que tem apoiado o Governo nas várias fases de descofinamento, propôs ontem na reunião do Infarmed que os autotestes passem a ser gratuitos, reforçando-se assim a estratégia da autogestão da pandemia e da responsabilidade do cidadão. Mas não só. A equipa de peritos que lidera propôs ainda aligeirar as medidas em vigor, defendendo o regresso à escola já na segunda-feira, o fim da obrigatoriedade do teletrabalho e a abertura de discotecas e bares. O Conselho de Ministros reúne-se hoje para tomar decisões.