São Luiz tem mais público e aposta na internacionalização

Mais música, parcerias com o Teatro Maria Matos e com o D. Maria II, uma aposta inédita na internacionalização. Vai ser assim a próxima temporada no Teatro Municipal São Luiz, programada por Aida Tavares.

A temporada que agora está a terminar foi complicada neste equipamento lisboeta. Após a saída de José Luís Ferreira da direção artística do teatro e de um concurso público falhado - as três candidaturas finalistas foram chumbadas por não reunirem "as condições necessárias" no que respeitava "à estratégia e objetivos definidos" para o São Luiz, - a EGEAC - Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural acabou por, em janeiro deste ano, nomear Aida Tavares, que tinha sido adjunta da anterior direção e já exercia interinamente o cargo.

Além disso, foi também ao longo deste último ano que o São Luiz "recebeu" mais uma sala - o Teatro Estúdio Mário Viegas. E que, finalmente, conseguiu pôr de pé uma programação para os "mais novos". Apesar de tudo isto e do "esforço" que a equipa teve de fazer, na apresentação à imprensa da próxima temporada, Aida Tavares, a atual diretora artística deste teatro municipal, fez "um balanço muitíssimo positivo" deste ano. O teatro registou um crescimento de público superior a 15 mil espetadores, tendo em 2014 mais de 63 mil espetadores. Também as receitas de bilheteira tiveram uma subida na ordem dos 35%, situando-se na casa dos 200 mil euros.

A próxima temporada abre com Baile, um projeto de Carla Maciel e Sara Carinhas, a 9 de setembro. Aida Tavares explica que a programação (orçada em cerca de 800 mil euros) vai manter a sua maior incidência no teatro e na produção nacional, mas haverá um crescimento substancial da programação musical: Filipe Pinto Ribeiro, Márcia, Celeste Rodrigues, Brigada Vítor Jara, Gisela João, Capicua, Dead Combo e Noiserv são alguns dos nomes em destaque.

A maior novidade é o projeto de internacionalização, integrado numa nova rede europeia que está agora a ser formada para ligar doze cidades, e que não só trará espetáculos estrangeiros ao São Luiz como irá levar a palcos internacionais três projetos produzidos no Chiado: um novo espetáculo do Teatro Praga sobre Fernando Pessoa (que irá abrir a temporada do São Luiz em setembro de 2016), e ainda novos espetáculos do coreógrafo Vítor Hugo Pontes e do projeto musical Noiserv.

Antes disso, já este mês, o São Luiz mantém a sua colaboração com o festival Chantiers d'Europe, levando ao Théâtre de la Ville, em Paris, Gisela João, Noiserv e o espetáculo Hamlet, da Mala Voadora.

Os laços que unem os dois teatros municipais de Lisboa vão apertar-se com as "Noite Maria & Luiz". Os dois espaços unem esforços para trazer a Lisboa grandes criadores estrangeiros, já em 2016: em abril, Jérôme Bel traz Gala ao Maria Matos e, em maio, Romeu Castelucci apresenta On the Concept of Face, Regarding the Son og God, no São Luiz.

Na programação da temporada 2015/16, encontramos algumas reposições - Clara Andermatt traz Fica no Singelo (em outubro), Paulo Ribeiro vem com Sem um tu não pode haver um eu e a Mala Voadora com Hamlet (também em outubro), Gonçalo Waddington retoma Albertine, o Continente Celeste (em janeiro), os Artistas Unidos recuperam Doce Pássaro da Juventude e Gata em Telhado de Zinco Quente (fevereiro) - mas há bastantes produções novas. Por exemplo: Carta a uma Desconhecida, de Stefan Zweig, por Sandra Barata Belo (outubro), Neva, de Guillermo Calderón, com encenação de João Reis (novembro), Ruínas, de Lynn Nottage, dirigido por António Pires (janeiro), Orfãos, de Dennis Kellys, com encenação de Tiago Guedes (fevereiro), Cabul, de Rui Horta com a Orquestra Metropolitana de Lisboa (março), e A Conquista do Pólo Sul, de Manfred Karge, com encenação de Beatriz Batarda (abril).

Já quase no final da temporada, em julho, o São Luiz junta-se ao Teatro Nacional D. Maria II para apresentar um Festival Shakespeare de Verão.

No total, vão ser 21 projetos de teatro e 17 projetos musicais. Aida Tavares sublinha ainda que nesta programação há sete mulheres a encenar e sete criadores que se apresentam pela primeira vez neste teatro.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG