Qual é a sua música preferida de Chico?

Cristina Branco, António Zambujo e Carminho falam da sua relação com o músico brasileiro Chico Buarque, que atua esta semana em Portugal.

Cristina Branco
Cantora


"Ui, essa pergunta é traiçoeira porque gosto de quase tudo (talvez não conheça tudo, tudo), mas arrisco Geni e o Zepelin e, mais recentemente, o Nina", responde a cantora, escolhendo um dos clássicos de Chico Buarque, retirado da Ópera do Malandro, de 1978, e Nina, uma valsa de 2011. "O Chico é um amor muito antigo que nasceu com um disco, A Ópera do Malandro, que percorri de lés a lés, horas ganhas a decorar letras e melodias, a apaixonar-me pelas histórias cheias de vida, de sofrimento ou alegria, de ambiguidades tão distantes naquele tempo, da minha vida pequenina de menina a descobrir o mundo, e apaixonei-me também por ele, claro; enquanto as minhas amigas punham posters de cantores da pop, eu sonhava com os olhos tímidos do Chico!", recorda. Cristina Branco nunca viu um concerto de Chico Buarque, mas já lhe prestou a devida homenagem quando, depois de ir fazendo (e gravando) algumas versões, como Meu Amor (2003) e Construção (2013), em 2016 preparou, com Mário Laginha, um concerto só com canções de Chico.



António Zambujo
Músico


Se tivesse de escolher só uma canção de Chico Buarque, António Zambujo escolheria Retrato em Branco e Preto, feita em parceria com Tom Jobim. "Acho que a versão da Elis no disco Elis & Tom é a música mais bonita de todos os tempos. Mas é sempre tão tramado afirmar isto de forma definitiva..." Talvez por isso não se tenha atrevido a interpretá-la no disco Até Pensei Que Fosse Minha, lançado em 2016 e no qual gravou a sua versão de 16 temas do brasileiro, como a homenagem assumida de um fã a "um dos maiores autores das músicas cantadas em português". "Comecei a gostar do Chico no momento em que descobri a música brasileira. Sendo o Chico um dos principais responsáveis pela minha paixão (e de muita gente), não só pela música como também pela língua portuguesa", explica o músico alentejano. Entretanto, António Zambujo e Chico Buarque conheceram-se há cerca de cinco anos e desde então têm uma relação de amizade e passam muito tempo a conversar sobre música, futebol, poesia. Em 2006, foi vê-lo ao Coliseu, mas não sabe se vai voltar a vê-lo nesta semana.



Carminho
Cantora


"Não consigo escolher só uma canção", admite Carminho. "Todas têm encantos especiais." A fadista portuguesa já gravou duas vezes com Chico Buarque: Carolina para a reedição do seu disco Alma (2012) e Falando de Amor para o álbum Carminho Canta Tom Jobim (2016). Esta é uma amizade que já vem de longe, como se vê. Carminho lembra-se de ouvir as canções de Chico quando era pequena, nas novelas e nos discos da mãe, mas foi já crescida que ficou encantada pelo repertório dele: "Pela inteligência das letras, pela sonoridade das palavras e pela musicalidade, ele é de facto um pensador e um poeta muito inteligente, que cria imagens e descobre os sentimentos que as pessoas têm, sobretudo as mulheres. Tem a linguagem dele mas consegue surpreender-nos sempre. Acho que é mesmo um daqueles artistas antológicos, que vai ficar para sempre."

Mais Notícias