O que não pode mesmo perder dos 257 filmes do DocLisboa

Manoel de Oliveira, Peter Watkins, Wang Bing e muito mais na programação, hoje anunciada, do festival que se realiza de 20 a 30 de outubro

Vão ser 257 filmes a exibir entre 20 e 30 de outubro. A programação da 14ª edição do DocLisboa - festival Internacional de Cinema foi hoje anunciada e ficámos a saber que serão apresentadas 100 longas-metragens, 157 curtas (30 delas são mesmo muito curtas, com apenas um minuto). Na competição internacional estão 18 filmes oriundos de 13 países. Na competição portuguesa há 12 títulos.

Na programação, a par das secções competitivas, dos programas "Riscos", "Verdes Anos" ou "Heart Beat", este ano o DocLisboa inaugura a secção "Da Terra à Lua", descrita por Cíntia Gil (uma das diretoras do evento, ao lado de Davide Oberto) como uma espécie de "cápsula ou bola de cristal", com filmes de grandes nomes do cinema e que procurará dar um panorama sobre o mundo. Como, por exemplo, Austerlitz, de Sergei Loznitsa, e Lo and Behold, Reveries of the connected world, de Werner Herzog. E ainda dois filmes portugueses: a curta-metragem Paris 15/16, de Teresa Villaverde, e a longa Pedra e Cal, de Catarina Alves Costa.

Com um orçamento "bastante semelhante ao do ano passado" e um investimento direto de 330 a 350 mil euros, o DocLisboa tem entre as novidades deste ano um novo prémio, criado em parceria com a Fundação José Saramago e com a livraria Lello, para o melhor filme maioritariamente falado em língua portuguesa, um galardão transversal a todas as competições.

A extensa programação do festival está disponível no site oficial do DocLisboa. Pedimos ajuda a Cíntia Gil para destacar alguns dos momentos "imperdíveis" desta edição:

1. Correspondências

Filmes de correspondências - missivas, distâncias, deslocações é o nome de uma das subsecções da secção "Riscos" do DocLisboa. Cíntia Gil explica, no entanto, que este é um tema transversal a todo o festival: "Há uma linha que se encontra em várias secções, que é aquela que está condensada no pequeno foco filmes de correspondência, esta ideia de que há filmes que servem para transmitir, para passar, para correspondermo-nos com os outros, seja por amor, seja por amizade, seja por preocupação com o mundo".

Esse é o caso de Correspondências, de Rita Azevedo Gomes, que é o único filme português na Competição Internacional do festival. O filme, que foi apresentado em Locarno, parte da correspondência que os escritores Jorge de Sena (1919-1978) e Sophia de Mello Breyner (1919-2004) trocaram ao longo de mais de duas décadas, em que o grande desafio foi colocar as palavras em imagens sem serem meramente ilustrativas e criar uma ficção em torno delas, com a participação de alguns atores.

E é também o caso do projeto de Luciana Fina, Terceiro Andar, que inclui um filme e uma instalação, ambos apresentados na Fundação Calouste Gulbenkian, que nos mostra uma mãe e uma filha guineenses e é atravessado pela ideia de educação sentimental e de como é que se transmitem esses conhecimentos de geração para geração. O projeto foi já mostrado, no ano passado, no Mira Forum, no Porto.

2. Retrospetiva de Peter Watkins

Nascido em 1935, o realizador britânico Peter Watkins foi um pioneiro do docudrama e do falso documentário e vencedor de um Óscar de Melhor Documentário em 1966, com The War Game. O DocLisboa irá apresentar uma retrospetiva integral da sua obra.

O realizador estará em Lisboa e participa numa mesa redonda com Luke Fowler, João Pedro Cachopo e José Manuel Costa.

3. Cuba

A Retrospetiva por um Cinema Impossível: Documentário e Vanguarda em Cuba é "centrada no novo documentário, que surgiu nos anos 60 e 70", explica Cíntia Gil. "Os realizadores da altura estavam contra a arte de massas de Hollywood, queriam uma verdadeira arte popular - do povo, e não só para o povo". Haverá, entre outros, filmes de Santiago Álvarez, "o grande inventor do videoclipe", e de Julio García Espinosa, falecido no ano passado e autor do tal manifesto "por um cinema imperfeito", um cinema, explica a programadora, "muito próximo da vida das pessoas mas também de uma vontade de alegria. Teremos as notícias que faziam na altura no cinema, veremos o Che em tronco nu a descarregar barcos, e é um cinema bom para revermos neste ano em que Cuba se transforma tanto."

Na mesa redonda participam Michael Chanan, Raquel Ribeiro, Chema González e Lola Calviño, viúva de García Espinosa e diretora da Cinemateca de Cuba.

4. Avi Mograbi

O DocLisboa estreia Between Fences, o novo filme de Avi Mograbi, que Cintia Gil considera "extraordinário". O filme relata uma experiência teatral no campo de refugiados de Holot, no deserto de Israel, perto da fronteira com o Egito, onde se encontram sobretudo pessoas da Eritreia e do Sudão.

O filme foi apresentado no Festival de Berlim e o realizador israelita estará em Lisboa para orientar uma masterclass sobre o seu trabalho em cinema e em instalação.

5. Wang Bing

Também apresentado em Berlim e também tendo como foco os refugiados, Ta'ang é o último filme do realizador chinês Wang Bing e vai ser apresentado no DocLisboa. Wang Bing mostra-nos como vivem os refugiados na fronteira entre a China e a Birmânia.

O realizador não estará em Lisboa, mas em vez dele estará Jung Sung-Il, realizador e crítico de cinema sul-coreano, que vem apresentar o documentário Night and Fog in Zona, sobre o trabalho do seu amigo Wang Bing, tendo-o acompanhado das gravações de alguns dos seus filmes mais emblemáticos, como Three Sisters e 'Till Madnesse do Us Apart.

6. Heart Beat

Música, cinema, todas as artes se juntam nesta secção do DocLisboa que, desta vez, abre com Sons do Guetto, um filme Tim & Barry, do Reino Unido, mas que olha para uma realidade que nos é muito próxima: a editora Príncipe, de dança eletrónica underground. Haverá ainda, entre muitos outros, um filme sobre o músico David Bowie, realizado por Gaetan Chatainger, e outro sobre o arquiteto Álvaro Siza, de Iain Dilthey.

7. Fora Temer (e fora da caixa)

Mídia Ninja é uma rede de meios de comunicação de esquerda que atua em mais de 150 cidades no Brasil e que pretende oferecer informação com uma perspetiva diferente da que é difundida pelos meios de comunicação tradicionais, usando, muitas vezes, o "jornalismo do cidadão". Nestes tempos politicamente conturbados no Brasil, a Mídia Ninja tem tido um papel muito importante. E é sobre isso que nos vem falar Pablo Capilé, que virá a Lisboa apresentar uma série de pequenos filmes, misto de reportagem e de documentário, agrupados sob o título Fora Temer.

Esta será uma sessão que desafia a ideia que temos do documentário e que é fruto dos desafios que as novas tecnologias têm colocado aos realizadores, como explica Cíntia Gil: "Cada vez nos aparecem mais realizadores que não conhecíamos, também há muito mais filmes e, para além disso, os filmes adquirem uma liberdade formal muito grande e isso é muito interessante, ver que cada filme é um objeto único, usam as câmaras e o mundo de uma maneira única."

Exemplos disso são também, por exemplo, Downhill, de Miguel Faro (na competição portuguesa), um filme feito em cima de um skate, ou Vangelo, do italiano Pippo Delbono, que filma sempre com câmaras minúsculas ou até com telemóveis.

8. Mestres: Manoel de Oliveira e António Macedo

Em 1981, o realizador José Nascimento e o crítico Augusto M. Seabra fizeram, para a RTP, o documentário Manoel de Oliveira: 50 anos de carreira. Na altura, Oliveira tinha acabado de fazer Francisca, ou seja, estava ainda no início da sua carreira. "É muito bonito ver o que ele dizia naquela altura que ia ser o futuro, os projetos que tinha, sabendo agora aquele fez", diz Cíntia Gil. O DocLisboa vai passar este filme na secção Riscos.

O festival encerra, a 29 de outubro, com Nos Interstícios da Realidade, filme de João Monteiro sobre o realizador português António Macedo. Trata-se de "um trabalho de resgate da memória" sobre a vida de uma das "figuras fundamentais do Cinema Novo Português", disse à agência Lusa o realizador. "Foi o primeiro a ir a Veneza, o primeiro a estar em Cannes, o primeiro a filmar um nu integral, a usar jazz e eletrónica; é o único cineasta com obra contínua no campo do fantástico e ninguém sabe, ninguém se lembra."

Mais Notícias