De filhos criados, Vashti canta a sua estrada sem fim

Lançou um álbum nos anos 70 e desapareceu. Décadas depois, seria aclamada. Vashti Bunyan atua hoje e amanhã em Portugal

Como se não bastasse às canções da música folk serem o que são, os seus intérpretes e autores parecem, não raras vezes, personagens dignas de contos de um Tchékhov. Molly Drake (mãe de Nick Drake), Karon Dalton, Connie Converse, Sibylle Baier. Já as ouviu cantar? Nunca conheceram o sucesso, à exceção de um interesse póstumo ou, no caso de Converse, em avançada idade. Jennifer Vashti Bunyan, descoberta pelo então manager dos Rolling Stones, Andrew Loog Oldham, poderia ser outra dessas histórias. Mas não é. E por isso a podemos ouvir esta noite no Teatro Maria Matos em Lisboa e, amanhã, na Culturgest do Porto.

Eu estava mais interessada em tomar conta do bebé da forma que achava correta

Com Just Another Diamond Day editado em 1970, a sua história começa assim: "Depois do álbum sair, eu nunca toquei ao vivo, nunca ninguém me ouviu, nem ao álbum, simplesmente desapareceu. Foi-me dado escolher: tinha acabado de ter um bebé e, ou ficava em Londres e promovia o álbum, ou saía e ia viver numa casa de campo que me foi oferecida na Escócia. Eu estava mais interessada em tomar conta do bebé da forma que eu achava correta do que ficar em Londres e promover o álbum, por isso parti. Foi uma escolha clara."

Passaram-se trinta anos de "alimentar os cavalos em manhãs frias, acender fogueiras, levar as crianças à escola, cozinhar muito", recorda ao DN, da Escócia, a cantora de 70 anos contados e três filhos e três enteados criados. Trinta anos em que Vashti não "pegava na guitarra nem cantava" para os filhos que, sem que ela soubesse, lhe surripiavam o longínquo álbum e o ouviam às escondidas no carro.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Mais Notícias

Outras Notícias GMG