Opinião

Viriato Soromenho-Marques

Esse abismo que nos olha

Enquanto todos os dias dezenas de milhares de europeus são infetados e mortos pelo novo coronavírus, as linhas de fratura dentro da UE, e em especial da zona euro, estão a ficar ao rubro. O que está em causa é a recusa de quatro países - Alemanha, Holanda, Áustria e Finlândia - em aceitar uma emissão conjunta de títulos de dívida europeia para acudir a esta dupla emergência, que atinge a saúde pública e danifica a economia europeia e global. Na verdade, com a França, a Itália e a Espanha a favor dos coronabonds, com o BCE disposto, no que toca à política monetária, a prosseguir e a amplificar a via de Mario Draghi, o que continua a faltar é a coordenação orçamental que nas presentes circunstâncias só poderá ser conseguida com endividamento conjunto, para conseguir capital suficiente a taxas de juro baixas. Trata-se de um esforço titânico: reconstruir uma Europa capaz não só de superar o covid-19 como também de resistir aos gigantescos impactos da crise climática.

Viriato Soromenho-Marques

Henrique Burnay

A Europa, no vazio da América

A tripulação do navio aplaude o seu comandante e grita "herói", enquanto Brett Crozier abandona o porta-aviões nuclear USS Theodore Roosevelt, demitido pelo governo por ter enviado uma carta exigindo que fossem tomadas medidas para evitar a propagação do vírus a bordo do navio com quatro mil militares. A revolta da marinha, o ramo das forças armadas que melhor representa a projeção global americana, duvidando das chefias e da Administração é uma imagem rara e eloquente.

Henrique Burnay

Catarina Carvalho

E o vírus chegou e disse: vão para casa pensar na vida!

A mão na mão. A mão mais jovem a apertar a mão engelhada. Do início ao final dos dedos, do início ao final dos dedos, outra vez, numa massagem a imitar a respiração, como um prender à vida. A mulher deitada, quase desacordada na cama do hospital de Huesca. Olhos encovados. Mas a mulher de pé tem um sorriso que se vê por detrás da máscara. Está junto da mãe, Encarnação - como se houvesse nome melhor para alguém que, aos 101 anos, resistiu ao covid-19. A filha, contente, junto da sua velha resistente e curada, nas imagens da televisão espanhola.

Catarina Carvalho

Ferreira Fernandes

E no meio do vírus, surgem abençoados testes às palavras

Pouco a pouco vamo-nos dando conta, o mal não é o confinamento, é mesmo o covid-19. Os jornais e as redes sociais, também com lentidão, vão repercutindo essa perceção. Os lamentos espúrios (a palavra é essa, sinaliza o que não é legítimo nem deve ser perfilhado), os "ai, que incómodo!" - e o incómodo é o fim de semana sem Bairro Alto, é o perder o sol da primavera, são tretas... - estão a ser derrotados pela consciência paulatina da tragédia.

Ferreira Fernandes

Ficar em casa

Especiais DN

Graça Henriques

Quando ir ao banco até parece uma mudança de continente

O coronavírus apanhou-me desprevenida com a impressora avariada, quase elevada ao estatuto de mono. Do banco diziam-me que tinha mesmo de assinar o documento, que se não tinha como imprimi-lo e digitalizá-lo era preciso deslocar-me às instalações. Ainda fingi alguma relutância, mas depressa vi ali uma oportunidade para sair do bairro e ver como "mexe" a cidade... Afinal, nos tempos que correm, afastar-me dois quilómetros de casa tem praticamente o sabor de uma viagem intercontinental!

Graça Henriques

Filipe Gil

Lembranças de conservas

Gosto de recordar pessoas pelas suas manias. Aquelas únicas e originais de que nos lembramos quando estamos longe ou temos saudades. Seja algo físico como uma maneira peculiar de mexer no cabelo para adormecer ou a forma de atender e mexer no telefone ou até mesmo o vestir uma certa peça. Lembro-me de uma certa forma de o meu avô pentear os seus já poucos cabelos num espelho oval com a figura de um jogador dos anos 1940 do Sporting. Ou da forma como o meu pai me dizia para ter cuidado sempre que ia fazer surf: "Não te afastes muito..."

Filipe Gil

Ricardo Santos

Quatro Estrelas Michelin

Foram cinco dias a caminhar entre os 1500 e os 3800 metros de altitude, para cima e para baixo pelos Andes peruanos. À custa de um mosquito e da infeção que causou, os pés já estavam a passar para o azul, depois da vermelhidão e das comichões iniciais. Só doíam ao fim de cada dia do trekking, quando o corpo percebia que era tempo de descansar. A última noite antes de chegar a Aguas Calientes - que hoje se chama Machu Picchu Pueblo - foi passada num baldio de uma pequena aldeia que não sei mesmo se teria nome. Num rés-do-chão com as portas fechadas, Freddy, o guia, montou uma discoteca. A bola de espelhos rodava, a música saía do computador e, na parede, posters de duas impossibilidades por aquelas paragens: Tina Turner e uma praia paradisíaca.

Ricardo Santos

Leonídio Paulo Ferreira

Paris, Texas vale bem uma reportagem

Tinha 13 anos quando se estreou Paris, Texas e claro que me disse mais o cartaz com Nastassja Kinski do que a assinatura de Wim Wenders como realizador. E foi só por ter visto o filme uns anos depois que não repeti, como cheguei a ouvir, que falava de uma viagem do Texas até Paris. Sim, há gente a viajar nele, mas sem sair do Texas, ainda que quando uma das personagens fala de Paris a outra pense logo em França. Estamos todos desculpados.

Leonídio Paulo Ferreira

João Céu e Silva

O estigma sobre o suspeito não infetado

O primeiro sintoma de quem é suspeito de estar infetado com o coronavírus é o estigma social. E se a tosse não surge nem a temperatura aumenta, ainda custa mais ao alegado suspeito esse sentimento por parte daqueles com quem convive. Senti isso na pele desde domingo, quando se soube que o escritor Luis Sepúlveda e mulher estavam hospitalizados e que tinham todos os sintomas desta praga, através das mensagens que começavam assim: "Estás de quarentena, não é?" A pergunta não era "estás bem?" ou "sentes alguma coisa?"; não, a palavra-chave era "quarentena". Ou seja, desaparece da nossa vista.

João Céu e Silva

Insider

Rumos Serviços quer contratar 70 pessoas na área das tecnologias de informação

Rumos Serviços quer contratar 70 pessoas na área das tecnologias de informação

A consultora Rumos Serviços quer contratar 70 pessoas para a área das tecnologias de informação, até ao final do ano. A Rumos Serviços quer contratar mais 70 pessoas até ao final do ano, para trabalhar na área das tecnologias de informação (TI). Os processo de recrutamento da empresa estão a ser feitos através de videoconferência, tendo em conta o contexto de pandemia que o país atravessa. A consultora está à procura de talento em áreas de desenvolvimento com base em Java, .Net, Angular, Python, Oracle, Gestão de Projetos IT, Business Intelligence e Data Analytics, Segurança Informática e Processos, Infraestruturas Informáticas, Administração de Bases de Dados, Consultores [...]

YouTube remove vídeos que estabeleçam teorias da conspiração entre 5G e vírus

YouTube remove vídeos que estabeleçam teorias da conspiração entre 5G e vírus

O YouTube quer reduzir a quantidade de vídeos que tentam estabelecer uma ligação entre a tecnologia da quinta geração de redes móveis e a propagação do coronavírus. Segundo avançava o jornal britânico Guardian este domingo, as teorias da conspiração que tentam estabelecer uma ligação entre os casos de covid-19 e o desenvolvimento das redes 5G poderão estar a levar a ataques a antenas de telecomunicações no Reino Unido, segundo indicam as autoridades britânicas. No espaço de 24 horas, o Guardian indica que foram detetados pelo menos quatro ataques a estas torres que, em alguns casos, foram incendiadas. As teorias da conspiração disponíveis online teorizam que a [...]

App europeia rastreia as populações (ao estilo asiático) mantendo a privacidade

App europeia rastreia as populações (ao estilo asiático) mantendo a privacidade

Uma app para rastrear a propagação do vírus na Europa (preservando a privacidade) está a ser criada por investigadores e replica modelos já usados na Ásia para evitar contágio entre a população. Um grupo de especialistas europeus - de universidades e empresas - anunciou esta quarta-feira que, até 7 de abril, conta lançar uma app para smartphones de forma a ajudar a rastrear indivíduos que possam ter entrado em contato com pessoas infectadas com Covid-19. A iniciativa pretende seguir o que se tem visto em países asiáticos como a Coreia do Sul, Singapura, China, entre outros e, ajudar assim, as [...]

Ataques informáticos diários quadriplicaram devido a pandemia

Ataques informáticos diários quadriplicaram devido a pandemia

A Check Point dá conta de um aumento drástico no número de ciberataques diários ligados ao coronavírus. Pico de ataques aconteceu a 28 de março. Ao longo das últimas duas semanas, o número de ciberataques ligados ao tema do coronavírus aumentou significativamente, segundo revela a investigação da Check Point. A empresa de segurança indica que, de algumas centenas de ataques ligados a este tema registados em fevereiro, março trouxe um drástico aumento dos números de episódios diários. Em média, a Check Point indica que estejam a ocorrer 2600 ciberataques por dia, aproveitando o tema do coronavírus. O pico de ataques aconteceu no dia 28 de [...]

A tecnologia por detrás dos Escape Rooms

A tecnologia por detrás dos Escape Rooms

A difusão dos escape rooms nos últimos anos tem proporcionado aos apreciadores deste tipo de divertimento uma variedade de cenários que lhes permite experimentar muitos sem se aborrecerem. A fórmula destes espaços é sempre a mesma: trata-se de superar diferentes provas de habilidade e quebra-cabeças dentro de um intervalo de tempo limitado. No entanto, geralmente os participantes contam com a ajuda de outras pessoas, pois o habitual é jogar com amigos.Os "escape rooms" cresceram, ganharam relevância e ocuparam um lugar na cultura popular a grande velocidade (há mesmo um filme de terror inspirado no fenómeno). E, à semelhança de tudo o que triunfa nos nossos dias, o seu crescimento fez-se acompanhar de uma utilização cada vez mais importante da tecnologia para tornar as salas de jogo mais interessantes e espetaculares. Natalia Sprenger visitou dois destes locais em Espanha e pôs-se à prova para descobrir os segredos que estes escondem.Entrevista e edição: Natalia Sprenger | Noelia Núñez | Ainara NievesTexto: José L. Álvarez Cedena

O colete inteligente que o ajuda a ficar um profissional no futebol

O colete inteligente que o ajuda a ficar um profissional no futebol

Hoje em dia, embora Pep Guardiola nos seus tempos de treinador no Bayern de Munique o tenha dito em tom de desdém ao referir-se a vários jogadores do Real Madrid, todos "são atletas". Numa era em que o VAR e o big data analisam cada um dos movimentos dos jogadores durante um jogo, os treinos atingiram níveis de sofisticação que os míticos jogadores dos anos 90 nunca teriam imaginado. Já não basta fazer umas corridas ou subir e descer as bancadas do estádio. Agora, em qualquer equipa de elite, o habitual é ver os futebolistas a usar um colete inteligente com GPS que permite aos preparadores físicos medir, através de uma aplicação, o esforço, a distância percorrida, as rotações, a aceleração e outras variáveis para analisar e melhorar o rendimento dos jogadores.Maldo, o nosso especialista em desporto, esteve a treinar com o Leganés, uma das equipas da exigente LaLiga Santander, para verificar se, de facto, este tipo de dispositivos nos pode ajudar a ter o rendimento de um profissional.

V Digital

Eduardo Oliveira e Sousa, presidente da CAP

"Trabalhadores em lay-off e desempregados podem trabalhar nos campos"

A agricultura não pára, apesar da pandemia Covid-19. Não faz sentido colocar os trabalhadores do sector primário em lay-off ou achar-se que daqui a três meses os agricultores, tal como outros empresários, vão ter rendimentos suficientes para pagar deferimentos de moratórias ou linhas de crédito. Estas são algumas das denuncias do presidente da CAP, Eduardo Oliveira e Sousa, que acredita que não vão faltar alimentos para os portugueses nos próximos meses, mas alerta para a falta de mão-de-obra.